quarta-feira, 12 de junho de 2013

Estamos perdidos

Gilrikardo disse: Vejam o senso daqueles que detêm o poder de julgar e fazer justiça em nosso país. Uma vergonha. Pessoas sem um mínimo de dignidade, pois agem como se dinheiro brotasse como capim. Alguém pagará essa conta, já sabemos quem somos os pagadores. E aos excelentíssimos, pelo amor de deus, que falta de sensibilidade... não basta os trinta e poucos mil já garantidos, além de outras benesses que não se divulgam. É por isso que imploro aos céus não precisar dessa gente nunca... pois se assim for, sei que serei visto como mais um pedaço de carne... e nunca com o olhar humano de alguém que se importa em fazer justiça. Dessa gente nunca virá justiça... eles não possuem sensibilidade para tal. 

Abaixo confiram materia:

Tíquete-alimentação dá R$ 100 milhões a juízes
Juízes terão tíquete retroativo
Correio Braziliense - 12/06/2013

Decisão tomada por conselheiros do CNJ, por 8 votos a 5, permite o pagamento do benefício a magistrados de oito estados, antes mesmo do julgamento do mérito da questão.
O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) derrubou, por 8 votos a 5, a liminar do conselheiro Bruno Dantas que proibia os tribunais de Justiça de oito estados de pagarem aos juízes o valor retroativo do auxílio-alimentação. Ao tomar a decisão, no último dia 3, Dantas estabeleceu a retenção de um total de R$ 101 milhões. Embora o conselheiro, relator do caso, não tenha comparecido à sessão de ontem, o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) e do CNJ, Joaquim Barbosa, decidiu submeter o tema ao plenário do conselho, mas acabou sendo voto vencido.
Relator substituto do caso, o corregedor Nacional de Justiça, Francisco Falcão, votou pela derrubada da liminar, sob o argumento de que leis estaduais asseguram o pagamento do benefício. Ele disse que o próprio CNJ já permitiu que os juízes recebam o auxílio e alertou que "nada impede" o pagamento retroativo. Francisco Falcão é ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ) e, no ano passado, recebeu, a título de auxílio-alimentação retroativo, um total de R$ 84.431.