sábado, 13 de maio de 2017

COISAS DA MINHA TERRA

NATIVISTA A PRESENTA... A HISTÓRIA DO CINEMA NA LENDÁRIA VACARIA!

NA VACARIA DE OUTRORA, O CINEMA ERA ASSIM...

Os vacarianos tomaram conhecimento do invento dos Irmãos Lumière por um ambulante que, vindo de Lages, no início da segunda década do século, instalou uma tela e um projetor na praça. No outro dia o mesmo seguiu para Caxias e não voltou mais.

Mas o primeiro cinema convencional surgido em Vacaria foi o RIO BRANCO, pertencente ao seu Jango Santos, e funcionava num salão que existiu na Rua Marechal Floriano, quase na esquina com a Júlio. Pelo ano de 1917, os irmãos Carlos e Alfredo Scherechewski e o seu Osório Mota o compraram, tomando várias providências: instalaram um cartaz onde escreviam a programação, tocavam uma sirene um pouco antes e na hora de começar a sessão e, o mais importante: uma orquestra começava a tocar em frente ao Café, reunindo o público e, a seguir, iam todos, a orquestra inclusive, para o cinema!

As instalações eram rudimentares: cadeiras coloniais ao invés de poltronas, o filme era mudo, mas tinha a animação, ao fundo, do seu Carlos no piano, seu Alfredo no violino, seu Doca na flauta e seu Osório no flautim. Com tudo isso, o cinema em Vacaria prosperou, surgindo o CINE LIRA, na Rua do Vinagre, de propriedade de Natalício Bueno.

Em 1921, os irmãos Scherechewski, tendo agora como sócio Vespasiano Veppo (que iria fundar a Estação Rodoviária de Vacaria, em 1939, a primeira do Brasil) compraram o LIRA, e o RIO BRANCO ficou sendo usado como salão de festas. Anos depois, foi reformado e transformado numa pequena casa, a qual foi demolida posteriormente.

Em 1927, O LIRA mudou de nome, passando a se chamar GUARANI, o qual participou da vida social e cultural dos vacarianos por muitos anos. Nele, em 7 de setembro de 1922, realizou-se a solenidade comemorativa do centenário da Independência, que foi presidida pelo vice-intendente em exercício, Fausto Viterbo de Oliveira e teve como orador oficial o poeta Cassiano Ricardo.

Até pelo ano de 1933 os filmes continuaram mudos, mas sempre com uma orquestra fazendo a música de fundo. Os filmes eram de faroeste, sempre com o mesmo enredo: o mocinho, a mocinha e o s bandidos. A gurizada se divertia nas matinés, onde a sirene também foi usada e o filme era dividido em partes, cujos fins não coincidiam com o de um episódio (se dava quando acabava um carretel). A luz precisava ser acesa por alguns minutos para a troca do carretel, pegando muitos de surpresa, pois só aos noivos era permitido se darem as mãos ou se darem oVACARIA s braços. Em 1942 o GUARANI fora demolido.

Por volta de 1937 começou a funcionar o cinema UNIÃO, no prédio da União Operária de Mútuo Socorro, encerrando suas atividades em 1944, com o início das atividades do CINE REAL, na Rua do Vinagre. De propriedade de Mansur Adami, era um prédio moderno de alvenaria, feito para ser cinema. Ainda apresentava os filmes de maneira descontínua, mas nas interrupções a mudança do escuro para a claridade era feita de maneira suave. Pelo ano de 1946, no meio da noite, ele incendiou e, posteriormente, foi reformado, passando a ter os filmes de maneira contínua, mas mesmo assim não conseguiu concorrer com o novo GUARANI, funcionando por mais alguns anos e deixando, finalmente de operar. O prédio foi vendido para João Ramos, que nele instalou um hotel, sendo construído nos fundos um restaurante e, paulatinamente, foi transformando a sua destinação, passando a ser o “Real Center”, incendiando-se anos depois.

Em 1943, César Ramos César tratou da construção do novo CINE GUARANI, situado onde hoje está a Loja Volpato. Sua inauguração foi a 21 de julho de 1945 com o filme “Turbilhão”. Era mobiliado com modernas poltronas, inicialmente com assentos de madeira, depois substituídos por estofados de couro, possuía serviços de alto falantes (seu locutor era o jovem Firmo Carneiro) e a projeção dos filmes era contínua, mas havia interrupções entre a apresentação de trailers e do Jornal Nacional, e destes do filme (a iluminação era colorida e suave). Aos domingos havia matinê e duas sessões à noite. O seu operador era o Sr. Adir Silva, que trabalhou da inauguração ao seu fechamento, por 41 anos. Em pare devido à concorrência com a TV em cores, o CINE GUARANI fechou suas portas em 1986, com o filme “A vida te dois aspectos”. Nome sugestivo...

Pelo ano de 1952, Domingos Pegorini iniciou as atividades do CINE CENTRAL, construído na praça, na Rua Dr. Flores, no terreno onde havia o café de Nicolau Chedid. Para maior segurança foi feita uma porta na plateia, junto ao palco, dando saída para a Rua do Vinagre. Possuía equipamentos para projeção contínua e modernas poltronas, com assentos de madeira, mas em 1959 Pegorini mudou-se para Porto Alegre, abrindo lá dois cinemas, para onde levou o mobiliário do CINE CENTRAL.

Coube a Francelino Bortolon comprar o salão e a dependência do cinema, o qual tinha sido danificado por um incêndio da sala ao lado. Em 1963, o mesmo resolveu explorar o cinema, com equipamento todo novo e com poltronas estofadas. Nascia o CINE QUERÊNCIA, cuja inauguração deu-se em 14 de março de 1964 com o filme “No vale das grandes batalhas”. Foi bem até 1974, mas com a entrada da TV em cores nas residências, caiu o movimento. Francelino até tentou trazer teatros junto ao mesmo para atrair o público, mas em vão. Com a sua morte, em 1983, a família vendeu o prédio, a família vendeu o prédio para Geraldo Zamban, que o deixou fechado por algum tempo, e depois o alugou, primeiro para Décio Jacques César, e depois para uma família de Erechim, proprietária de cinema naquela cidade, que trocou o seu nome para AVENIDA.

Os novos proprietários operaram por algum tempo e embora tentassem até com filmes pornográficos, não conseguiram vencer a crise e tiveram de fechá-lo em 1986, poucos dias após o GUARANI. Com isso, Vacaria ficou sem cinema. 
Bem mais tarde, uma empresa instalou no Centro Comercial Sarasvati uma sala moderna e climatizada para sessões, mas fechou suas portas devido ao baixo público frequentador. E assim, Vacaria, a lendária, ficou sem cinema. Restam-nos, hoje as recordações, dos que o frequentaram, obviamente, daqueles tempos áureos em que as matinés e a inocência de toda uma geração eram sinais de felicidade e os relacionamentos se faziam estreitos, sejam nas filas que se formavam, sejam nas paqueras, que não tinham preço...

FONTE: RAÍZES DE VACARIA I (VI Encontro dos Municípios Originários de Santo Antônio da Patrulha), texto de JOÃO VITERBO DE OLIVEIRA (in memorian).

Laurita Baldi / Facebook

quinta-feira, 20 de abril de 2017

Dia do índio... comemorar o quê?


Por Gilrikardo

A humanidade evolui a custa de muito esforço, vence barreiras, cria oportunidades, descobre tecnologias, supera doenças, enfim caminha rumo ao futuro... por isso não consigo entender essa veneração aos índios, separados da civilização, povo que não chegou ao nível de construir uma escrita, imagina o resto... talvez a hipocrisia explique isso (aposto que aqueles que tanto os veneram não iriam morar junto a eles)....


quarta-feira, 5 de abril de 2017

Desejos

Por Gilrkardo

A gente imagina escrever… ao que deveria imaginar o que pensar… e aí então a vaca parece ir para o brejo. Mas um respiro fundo e voltamos são e salvos ao trilho da criação. É um livre andarilhar… um livre ir-se… de um canto a outro… Como seria desejável sentir-se desinibido diante das palavras. Palavras soltas ou presas.
Palavras destinadas a se fazer caminho para minhas angústias e desejos inconfessáveis.

terça-feira, 4 de abril de 2017

Estamira: "a louca do lixão"


(2011) Estamira Gomes de Souza, personagem-título de documentário vencedor de 33 prêmios nacionais e internacionais, morreu no último dia 28, no Rio de Janeiro. Ela tinha 72 anos e estava internada com septicemia – infecção generalizada – no Hospital Miguel Couto, na Gávea. Estamira (2004), dirigido por Marcos Prado, ganhou projeção quando venceu a Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, em 2005. 

Prado conheceu a catadora de lixo quando fotografava no aterro de Gamacho, na Baixada Fluminense. A senhora de pouco mais de 60 anos se aproximou dele e disse que tinha uma missão: revelar “a verdade”. Ele voltou outras vezes ao local e, ao conversar com a “louca do lixão”, como ela era conhecida, se impressionou com os lampejos de lucidez durante os discursos aparentemente confusos e arbitrários. Prado decidiu retratar o cotidiano da catadora de lixo e tentar reunir os fragmentos de seus vários mundos.

Nas sequências filmadas no aterro, no barraco onde vivia ou na casa de parentes, Estamira expressou sua revolta contra um “Deus estuprador” e contra médicos “copiadores” de receitas. Em diálogos com o neto da catadora de lixo, Prado levantou possíveis alavancas de sua psicose: ela oscilou entre religiosidade e ceticismo ao longo da vida, sofreu agressões sexuais e foi internada diversas vezes em hospitais psiquiátricos – histórico semelhante ao de sua mãe, que também tinha distúrbios mentais. “Ela era uma espécie de Arthur Bispo do Rosário do verbo”, definiu Prado em entrevista ao jornal Correio Braziliense, em alusão ao artista plástico que viveu por anos internado em um manicômio e produziu obras com sucatas. Estamira dá voz à marginalidade dos aterros e dos hospícios. É um misto incômodo de posição social degradante e de mente “anormal”. Não por acaso, o pano de fundo da narrativa é o lixo descartado pela sociedade e que destoa da paisagem da cidade maravilhosa. O corpo de Estamira foi enterrado no dia 29 de julho, no cemitério do Caju, mesmo local onde sua mãe está.



sábado, 1 de abril de 2017

Falando Sério - TV da Cidade

--Meu pitaco sobre o programa do dia 31-03-2017

Por Gilrikardo

O senhor Henrique Neto falou uma tremenda bobagem quando disse que Joinville está perdendo a municipalidade (ou será provincianismo)... qualquer pessoa de mediana inteligência diria que o fato da cidade estar em transformação é simplesmente o que acontece com todas as metrópoles do mundo... nenhuma metrópole surge com moradores locais... assim é compreensível que o "ajuntamento" de pessoas de várias regiões construam, sem a menor intencionalidade, uma nova identidade para aquilo que os saudosistas e nostálgicos vivem a invocar... "naquele tempo"... "agora não é mais"... e por aí vai... 

Um abraço a todos da bancada... sou fiel ouvinte e crítico... mentalmente travo meus argumentos com todos... Mais uma vez um abraço... Dia desses dei um alô ao Toninho no Giassi...


quarta-feira, 29 de março de 2017

Um tal gebaili e um certo posto de gasolina

Por Gilrikardo

Engraçado que ao ouvir o programa do garoto propaganda do posto anita, o "gente fina" se fez de morto, não se referiu ao anita e sim ao tal posto APA... nome que ninguém sabe o que é... e depois não teve a dignidade de mencionar os motivos que levaram a ANP lacrar as bombas... dando uma de "miguelão" simplesmente deixou escapar que o posto foi fechado por detalhes técnicos... QUE CREDIBILIDADE tem um sujeito que ainda se acha a cereja do bolo... para mim um baita humorista querendo se passar por formador de opinião... OPINIÃO DE QUÊ?


terça-feira, 28 de março de 2017

Voltei a dedilhar...

--Obrigado pela deferência,


sempre gostei de escrever... sem intenção alguma, só pelo prazer do desafio, pelo prazer de tentar entender a condição humana... por isso, sem ter compromisso com nada e com ninguém além de mim mesmo, escrevo só quando estou com vontade... e há alguns meses deixei de lado meu blog... agora depois do turbilhão de emoções vividas... meu emprego novo... novas pessoas a cruzar meu caminho... um grande pé na bunda... entre outras coisitas mais... O Modas dum Diletante voltou ao ar... veremos o que vai dar... aliás já deu... explore o blog... acredito que tem muita coisa a ser vista... até amanhã... na mesma hora e no mesmo bat canal!

(Agradecendo uma leitora/colega de trabalho)